• Joana Martins

Livro da Semana 16

Há muito que prestamos atenção à EMMA: engenheira informática de formação, desenhadora, 36 anos, francesa e mãe de um menino de 6 anos.

Com o nascimento do primeiro filho, surgiu-lhe a necessidade de reivindicar um novo papel para as mulheres, numa sociedade mais justa e menos movida pelo lucro. Gosto muito da parte em que ela descobre que 30% dos empregos são inúteis. Então porquê a cultura do trabalho e do presentismo?

Felizmente a Bertrand decidiu editar o livro em português. E é ma-ra-vi-lho-so! Pela ironia, pelo retrato da sociedade injusta onde vivemos, a tal ponto perfeito, que é universal, sempre acutilante, mas sem ser zangado.


E fala sobre o quê?

Fala da carga mental. A carga mental das mulheres que na esmagadora maioria dos casos, são as gestoras do projecto familiar. E gerem trabalho, família, casa, datas importantes, tudo, num incrível peso que nunca nos abandona. Fala sobre as expectativas colocadas sobre as mulheres, fala da indignação dos homens e da sua (às vezes) falta de empatia.

Fala sobre as mulheres que se zangam e são necessariamente histéricas. Fala sobre a solidão da maternidade.


Se este livro é de pediatria?

Não, não é. Mas é sobre mães e mulheres a lutarem por uma sociedade melhor, por um futuro melhor para os nossos filhos e filhas.


Deixo-vos um trecho da descrição da experiência da maternidade e como chavões de baby blues, tempestade hormonal, mulheres sensíveis, serve para diminuir e colocar ao nível da patologia clínica uma mulher que está apenas e só em dificuldades e precisa de ajuda e orientação.


Para ler, rir, chorar e pensar.


Boas leituras.











4 visualizações

©2019 by zenped. Proudly created with Wix.com